II HACKATHON – Entrega da premiação

13238861_1202647673103151_4711561060418995658_n2

Hackathon é um neologismo originado das palavras inglesas “hack” (programar excepcionalmente) e “marathon” (maratona). Pensa-se que o termo começou a ser utilizado em junho de 1999, durante um encontro para criptógrafos organizado por desenvolvedores de OpenBSD. Atualmente, os Hackathons são eventos que primam pela criação de soluções criativas e inovadoras de software, evolvendo conceitos de design, codificação, lógica, otimização, etc.

Um dos objetivos do evento é proporcionar oportunidades e incentivo para o treinamento do participante quanto à sua capacidade para a resolução de problemas e o desenvolvimento de um software em tempo limitado. Neste contexto, criam-se mecanismos para a classificação de tais habilidades, estimulando seu aperfeiçoamento.

A meta principal desta competição é promover a prática de programação de maneira integrada entre os alunos do curso Técnico Integrado em Informática.

Os objetivos do evento são: 

  • Estímulo – Proporcionar novos desafios aos estudantes, instigando-os a desenvolver ideias de soluções e aprimoramento.
  • Novos horizontes – Preparar e fomentar a participação em outras competições reconhecidas.
  • Desafios – Proposições que exigem raciocínio, desenvolvendo a capacidade de resolver problemas.
  • União – Integrar pessoas e conhecimentos distintos para chegar às melhores soluções.

A equipe vencedora foi composta pelas alunas Stefani MullerLetícia Vargas e Raquel Kunz.

O evento teve o patrocínio de MK Informática que tem como proprietário o aluno do Curso de Ciência da Computação Maiel Kamphorst, que gentilmente presenteou a equipe.

Em segundo e terceiro lugares ficaram as equipes, respectivamente:

Agnes Krammes e Samuel;

João Víctor Alves, Alice e André Lourenço

Para maiores informações acesse: II Hackathon

O Hackathon é um evento desenvolvido pelos bolsistas do projeto EPIF:  Evelyn Thainá Prass Ruppenthal, Jeferson Seibel e Juliana Schneider, coordenado pelo professor Tiago Rios da Rocha e que teve apoio dos professores do Curso Técnico em Informática e Ciência da Computação.

 

Alunos do Curso Técnico Informática participam de projeto pioneiro no Brasil

híbrido                       híbrido2

No ano de 2014, o Instituto Península em parceria com a Fundação Lemman desenvolveu o projeto Ensino Híbrido e o Câmpus Ibirubá participou dessa importante idealização. A professora do Câmpus, Fernanda Schneider, em colaboração com a professora Lisiane Cézar de Oliveira e com os alunos do Ensino Médio Integrado, fez parte do Grupo de Experimentação em Ensino Híbrido e Uso de Diferentes Tecnologias. O grupo era composto por 16 professores que ministram aulas para o ensino fundamental e médio de 13 escolas brasileiras públicas e privadas.

O ensino híbrido já é desenvolvido em outros países, como por exemplo na Clayton Christensen Institute (EUA), onde se destaca o co-fundador Michael Horn (ministrante de oficina para o grupo). Entretanto, o projeto é considerado pioneiro no Brasil porque parte da aplicação em diferentes realidades, tendo-se por premissa a adaptação e a experimentação de novas formas de ensinar e aprender por meio do uso da tecnologia e de um conjunto de práticas integradas – presenciais e online – que permitem ao aluno ser protagonista do seu aprendizado.

A partir dos aprendizados obtidos com essas experiências do grupo, criou-se uma rede de conhecimento e um acervo de informações que poderão ser replicados para professores de todo o Brasil. Destaca-se, neste ano de 2015, a disponibilização do curso (http://isesp.edu.br/ensinohibrido/curso/) e a recente publicação do livro “Ensino híbrido: personalização e tecnologia na educação, organizado pelos coordenadores Lilian Bacich, Adolfo Tanzi Neto e Fernando de Mell”, com prefácio de José Armando Valente e participação de José Moran. A experiência vivenciada no IFRS é relatada pela professora Fernanda em um dos capítulos.

*Confira mais imagens em na página do IFRS campus Ibirubá no Facebook

Alunos do Curso Técnico em Informática e Ciência da Computação realizam Visita Técnica

 

20151117104236343tecnopuc

Alunos dos Cursos Integrado em Informática e Ciência da Computação e os professores Roger Lavarda, Luis Claudio Gubert, Tiago Rios da Rocha e Lisiane de Oliveira realizaram uma viagem a Porto Alegre para visitas técnicas na sexta-feira, 11 de dezembro. Durante o turno da manhã, a visita foi a TECNOSINOS, onde foram recebidos pela empresa CWI Software que, desde 1991, visa o desenvolvimento de soluções e sistemas de TI com base nas necessidades específicas de empresas de médio a grande porte em âmbito global. Sendo que possúi o selo CMMI nível 3, uma certificação que atribui qualidade aos processos e produtos desenvolvidos pela mesma. A empresa ainda conta com mais quatro unidades: São Paulo, Rio de Janeiro, Porto Alegre e Caxias do Sul. Os alunos e professores foram gentilmente recebidos por Bruno Traçante (Líder Técnico) e sua equipe que forneceram informações sobre “bom profissional para área” e conhecimentos desejáveis para atuar no mercado. Como fechamento os alunos interessados em estágios puderam conversar com a equipe, degustaram um coffe break e visitaram os espaços da empresa. Na sequência, os alunos puderam conversar com Ana Cristina Balensiefer Simon, que trabalha na SAP Labs Latin America, que brevemente explanou o histórico da empresa e o programa de estágio que a mesma disponibiliza. A SAP está no centro da revolução tecnológica atual. Na condição de líder de mercado no ramo de softwares aplicativos empresariais, ela ajuda as organizações a enfrentarem os efeitos danosos da complexidade, além de gerar novas oportunidades de inovações e crescimento.

No turno da tarde, a visita foi ao TECNOPUC, com uma abordagem mais centrada no aspecto do Empreendedorismo, foram a RAIAR – Incubadora de Empresas que tem como propósito estimular e operacionalizar a visão empreendedora da comunidade PUCRS. Por meio do Programa de Incubação e do Startup Garagem, a Raiar apoia projetos de negócio, dando suporte em assessorias e infraestrutura, transformando-os em empreendimentos competitivos e prontos para atuar no mercado. Na ocasião conversaram com Arthur De Franceschi, um dos fundadores da Goga Tecnologia que atua na área de realidade aumentada e tem como principais produtos os dispositivos holográficos para tablets que permitem maior interação com os usuários, a dupla Holodraw e Holobook, que podem ser utilizados para educação e entretenimento, e vitrines holográficas.

Segundo a professora Lisiane: “A visita foi extremamente interessante pela aproximação dos alunos com o mundo do trabalho e principalmente para ressaltar que o que está sendo trabalhado no IFRS está em acordo com as necessidades dos profissionais do mercado atual, bem como uma possibilidade de mostrar aos alunos o quanto essa profissão é fundamental para as necessidades da atualidade e o que esses devem buscar para se tornarem mais aptos para gerar transformações positivas e influenciar as relações sociais, comerciais e no mundo dos negócios.”

Livro “Soluções Acessíveis: experiências inclusivas no IFRS” tem capítulo de trabalhos realizados, na perspectiva de Acessibilidade

soluções

O capítulo ACALM – Assistente de Comunicação Alternativa e Aumentativa Móvel foi escrito pela professora Lisiane Cézar de Oliveira, com a colaboração da pedagoga Maria Inês Simon e do bolsista do projeto PRA- INCLUIR,  Fabrício Kaemmerer Brenner.

O presente capítulo objetiva apresentar uma proposta de software, de comunicação alternativa e aumentativa, chamado ACALM (Assistente de Comunicação Alternativa e Aumentativa Móvel). Também visa assessorar pessoas com dificuldades na comunicação, além de auxiliar o usuário na interação com o mundo que o cerca. O aplicativo possui uma primeira versão, disponível para uso com funções simplificadas, entre elas, cumprimentos, alimentação, localização de setores dentro do IFRS / Câmpus Ibirubá, além das emoções. O software está sendo desenvolvido para a plataforma Android, podendo ser utilizado em tablets.

O livro se encontra disponível no link.

Livro Ações Afirmativas do IFRS tem capítulo sobre trabalho desenvolvido pelo Curso de Informática

ações

No início de 2014, depois de muito trabalho, fortalecido por encontros, debates e discussões, foi aprovada, pelo Conselho Superior do IFRS, a tão sonhada e necessária Política de Ações Afirmativas da instituição, “orientada para ações de inclusão nas atividades de Ensino, Pesquisa e Extensão, para a promoção do respeito à diversidade socioeconômica, cultural, étnico-racial, de gênero e de necessidades específicas, e para a defesa dos direitos humanos”.

 

A aprovação desta Política, carinhosamente chamada de PAAf, pode ser considerada um marco importante no que se refere à inclusão e à igualdade de condições no acesso, permanência e êxito de todos os alunos, indistintamente, em todos os cursos do IFRS. Para brindar essa conquista, estamos lançando o livro Ações Afirmativas do IFRS, contando histórias de lutas, de desafios e de sucessos que os Câmpus do nosso Instituto têm enfrentado e conquistado, mesmo antes da aprovação da referida PAAf.

Nesse livro, um dos capítulos aborda trabalhos desenvolvidos no Curso Técnico em Informática, com bolsistas de projetos de Pesquisa e Extensão e com alunos em projetos desenvolvidos em sala, na perspectiva do Ensino, intitulado Ações Inclusivas nas dimensões de Ensino, Pesquisa e Extensão, tendo como autora a professora Lisiane Cézar de Oliveira e tendo como colaboradores o professor Roger Lavarda, ao aluno do projeto de pesquisa ACALM (Assistente de Comunicação Alternativa Móvel) –  Lucas Ferreira da Silva e os alunos do projeto de Extensão, Robótica Educativa –  Yasmim Borghetti Schumann e Jair Bottega

 

 

Como a tecnologia mudará o futuro do trabalho

Fonte: Como a tecnologia mudará o futuro do trabalho

Estima-se que 65% das crianças que hoje entram nas escolas, provavelmente irão trabalhar em funções que atualmente não existem.

Todas as mudanças tecnológicas que já estão impactando o trabalho representam apenas um vislumbre do que iremos ter nos próximos 15 a 20 anos. Mas, especialistas esperam que o ritmo das mudanças comece a acelerar a partir de 2020.

Funções de escritório e administrativas, bem como de fabricação e de produção, vão sofrer fortes declínios, afetando mais de seis milhões de postos de trabalho ao longo dos próximos quatro anos. Por outro lado, funções na área comercial, financeira e computacional irão aumentar.

O driver central para muitas destas transformações é o avanço da tecnologia, como a inteligência artificial, a impressão 3D, a robótica e a produção com utilização sustentável dos recursos.

Ao mesmo tempo, as novas tecnologias irão criar novas funções e permitir trabalhos remotos e espaços de co-working. Os avanços na tecnologia móvel e em nuvem que permitem o acesso remoto e instantâneo são apontados como o driver tecnológico mais importante dessa mudança, permitindo a rápida disseminação de modelos de serviços com base na Internet.

o futuro do trabalho

Tradução de O Futuro das Coisas (crédito: World Economic Forum)

 

Vale a pena refletir sobre como seria esse futuro do trabalho.

Nosso futuro local de trabalho pode não ser um escritório, mas áreas de trabalho interligadas e não vinculadas a um só lugar, mas a muitos lugares. Esses locais terão conferência virtual, conexão permanente e portabilidade.

Utilizando o Big Data, com informações do trânsito em tempo real, vamos conseguir reduzir o tempo de deslocamento entre casa-trabalho-escola-etc.

“A Quarta Revolução Industrial” permitirá modelos de negócios disruptivos, que descentralizam as economias, enquanto iremos expandir para uma economia de compartilhamento. Ativos de propriedade pessoal, como carros, vagas de garagem e quartos, irão diversificar as fontes de receitas das pessoas. Não é por acaso que ao longo de três anos, a Airbnb oferece mais acomodações do que algumas das maiores cadeias de hotéis.

Airbnb

Estes modelos de negócios disruptivos irão fundamentalmente remodelar a forma como fazemos negócios, tanto individualmente quanto para as empresas.

Essas mesmas tecnologias podem nos ajudar a encontrar soluções para alguns dos maiores desafios que atualmente enfrentamos, como as mudanças climáticas. Casas conectadas, fábricas e fazendas, que utilizam sistemas inteligentes de gestão de energia podem reduzir drasticamente o consumo de energia, o que contribuiria para a “descarbonização” das economias.

O que será absolutamente decisivo é como iremos preparar nossos filhos, nossos alunos e nossos colegas para que aproveitem o poder desta tecnologia para transformar o nosso mundo para melhor. Isso significa:

1- Garantir que as escolas preparem as crianças e os adolescentes para o futuro.

2- Dar incentivos para a aprendizagem contínua em sintonia com o ritmo do avanço tecnológico.

3- Reinventar o setor de RH, equipando-o para avaliar e preparar continuamente os funcionários.

4- Garantir que as gerações atuais e futuras não sejam deixadas para trás na corrida global das competências digitais.

Só assim conseguiremos revolucionar a forma como vivemos e trabalhamos de uma forma que evite as vicissitudes das revoluções industriais anteriores, e sim criando novas oportunidades econômicas que não tínhamos imaginado antes.

O post Como a tecnologia mudará o futuro do trabalho apareceu primeiro em O Futuro das Coisas.

Brasileiros criam plataforma para concorrer com o Google Drive

Fonte: tecmundo Brasileiros criam plataforma para concorrer com o Google Drive

Serviço de armazenamento na nuvem tem foco em segurança e opera de acordo com o Marco Civil da Internet

Não é preciso ir até o Vale do Silício, na Califórnia, para encontrar exemplos de inovação no mundo da tecnologia. Um deles vem do Distrito Federal. Ao lado de dois sócios, o empreendedor brasiliense Bruno Kenj desenvolveu a Owl Docs, uma empresa que oferece serviços de armazenamento de arquivos em nuvem, com foco em segurança e privacidade de dados.

Um dos diferenciais para serviços como Dropbox e Google Drive é que o serviço é 100% brasileiro, mantendo todos os dados no Brasil e obedecendo a legislação local – diferente do que acontece com os serviços de sincronismo de arquivos, que contam com datacenters, normalmente localizados nos Estados Unidos. 

Leia mais…

Homologação preliminar do resultado das eleições para coordenadores de cursos – IFRS – Ibirubá

O presidente da Comissão Eleitoral do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul ? Campus Ibirubá, no uso de suas atribuições legais, conforme Portaria de 05 de abril de 2016 do Campus Ibirubá, torna pública a homologação preliminar do resultado das eleições para os cargos de coordenadores de cursos técnicos e superiores, conforme Edital 28, de 29 de abril de 2016.

Acesse os Resultados

 

Fonte: http://ibiruba.ifrs.edu.br/site/conteudo.php?cat=1&sub=1907