Estão abertas as submissões de trabalhos para o Simpósio Brasileiro de Qualidade de Software

Evento que visa reunir pesquisadores, profissionais, empresários, professores e estudantes de diversas áreas, interessados em questões ligadas à qualidade de software, o Simpósio Brasileiro de Qualidade de Software (SBQS) é um evento realizado anualmente pela Comissão Especial de Engenharia de Software da nossa Sociedade.

Partindo do objetivo de fomentar o intercâmbio de informações entre pesquisadores nacionais e estrangeiros de renome, e entre indústria e usuários, sobre o estado atual e tendências, em termos de métodos, técnicas, ferramentas de software e experiências práticas da área de Qualidade de Software, o SBQS tem traz na sua programação palestrantes convidados, sessões técnicas (trilhas de Trabalhos Técnicos e de Relatos de Experiência), tutoriais, workshops de dissertações e de teses e outros eventos satélites.

Este ano o SBQS acontece em Maceió, de 24 a 26 de outubro. Acesse o site e saiba mais sobre as submissões de trabalhos. Pesquisadores e profissionais são convidados a apresentar, até o dia 29 de maio de 2016, propostas de workshop. O objetivo do workshop é oferecer um fórum para a troca de opiniões, apresentar ideias e discutir os resultados de trabalhos preliminares em temas relacionados à qualidade de software.

Participe!

http://sbqs.com.br/

 

Source: sbc

Está disponível a segunda edição do livro Introdução a Estrutura de Dados com Técnicas de Programação em C

Reconhecidamente complexa, a linguagem C é apresentada, agora, de forma didática e gradual pelo professor Waldemar Celes (PUC-Rio) e pelo pesquisador Renato Cerqueira (IBM Research Brasil). Eles acabam de lançar a 2ª edição de Introdução a Estrutura de Dados com Técnicas de Programação em C (Elsevier), que integra uma série de livros-texto em parceria com a Sociedade Brasileira de Computação (SBC).  A obra, que teve origem nas apostilas do professor da PUC-Rio, José Lucas Rangel (in memoriam), destina-se a alunos de cursos de Informática e de outras áreas técnico-científicas, como Engenharia, Matemática, Química e Física, que têm o mercado de trabalho como objetivo.

Baixe um capítulo degustação do livro:  
https://issuu.com/elsevier_saude/docs/celes_e-sample

Os associados à SBC têm direito a um desconto de 30% para a compra compra deste e outros títulos da Série Elsevier/SBC, através da Central de Atendimento da editora, telefone 0800-0265340, com horário de atendimento de segunda a sexta-feira, das 09h00 às 18h30.

 

—————————-
Fonte: sbc
Link: Está disponível a segunda edição do livro Introdução a Estrutura de Dados com Técnicas de Programação em C

O Que Homens e Mulheres Querem no Casamento: a Evolução

Fonte: O Que Homens e Mulheres Querem no Casamento: a Evolução

O que homens e mulheres querem dos seus cônjuges?

Abaixo, você pode ver como algumas características e traços desejados foram modificando-se ao longo dos últimos 70 anos.

Boxer et al (referência abaixo) listou e comparou as respostas do que as pessoas procuram em um parceiro. Max Roser, do Our World in Data, pegou os primeiros e últimos resultados das pesquisas feitas por esses autores e criou o gráfico abaixo.

Esse gráfico nos permite comparar a importância relativa dessas características em 1939 e sete décadas depois.

Qual seria o traço mais desejado?

O grande vencedor é “Atração mútua – amor“, o aspecto mais importante para homens e mulheres e possivelmente, continuará sendo no futuro! Educação, inteligência” e “sociabilidade” também aumentaram sua importância. Os atributos que mais declinaram foram ‘Boa saúde’ e ‘Pureza’.

Casamento comparação

Os dados são da Christie F. Boxer, Mary C. Noonan, e Christine B. Whelan (2013). Veja aqui.

Fonte: Our World in Data

O post O Que Homens e Mulheres Querem no Casamento: a Evolução apareceu primeiro em O Futuro das Coisas.

O Que Homens e Mulheres Querem no Casamento: a Evolução

Fonte: O Que Homens e Mulheres Querem no Casamento: a Evolução

O que homens e mulheres querem dos seus cônjuges?

Abaixo, você pode ver como algumas características e traços desejados foram modificando-se ao longo dos últimos 70 anos.

Boxer et al (referência abaixo) listou e comparou as respostas do que as pessoas procuram em um parceiro. Max Roser, do Our World in Data, pegou os primeiros e últimos resultados das pesquisas feitas por esses autores e criou o gráfico abaixo.

Esse gráfico nos permite comparar a importância relativa dessas características em 1939 e sete décadas depois.

Qual seria o traço mais desejado?

O grande vencedor é “Atração mútua – amor“, o aspecto mais importante para homens e mulheres e possivelmente, continuará sendo no futuro! Educação, inteligência” e “sociabilidade” também aumentaram sua importância. Os atributos que mais declinaram foram ‘Boa saúde’ e ‘Pureza’.

Casamento comparação

Os dados são da Christie F. Boxer, Mary C. Noonan, e Christine B. Whelan (2013). Veja aqui.

Fonte: Our World in Data

O post O Que Homens e Mulheres Querem no Casamento: a Evolução apareceu primeiro em O Futuro das Coisas.

Dia da Engenharia: confira a homenagem da SBC no Facebook

No dia 10 de abril, comemora-se o Dia da Engenharia. Em referência à data, a SBC criou uma campanha especial no Facebook ao longo de todo o mês para homenagear os colegas engenheiros de software e de computação.

A ideia foi destacar grandes invenções que revolucionaram, e ainda vão revolucionar, nosso dia-a-dia – e que não existiriam sem a ajuda de um engenheiro! A primeira que destacamos foi a Internet: quem não lembra do chiado da conexão discada? Hoje, nossos smartphones sempre conectados são praticamente uma extensão de nós mesmos – e acabamos esquecendo que, por trás de toda sua praticidade, existe um engenheiro!

Ainda, destacamos os carros autônomos, sem motoristas, que estão em fase de teste há seis anos pelo Google (e os nosso próprios carros, que hoje contam com inúmeras opções para nos deixar conectados no trânsito?). O ar condicionado, que em algumas residências já podem ser controlados a distância, pelo celular. A nanotecnologia, que vem contribuindo para o avanço da medicina e ajudando a salvar vidas. A história do Google, criado pela dupla Sergey Brin e Larry Page, pioneiro na organização das informações na Internet e um grande aliado da nossa rotina (quem já ficou perdido e se salvou com o Google Maps sabe do que estamos falando!). E, por fim, a geladeira inteligente, que não só refrigera nossos alimentos, como também tira foto de cada item, registra a data de validade e compra o que está faltando. Parece até coisa dos Jetsons, mas é realidade em muitos lugares do mundo!

Ficou curioso? Para conferir essa e outras campanhas da SBC, confira nossa fanpage: https://www.facebook.com/sbcbrasil

E não esqueça de agradecer a um engenheiro da computação e de software sempre que a tecnologia salvar seu dia!

—————————-
Fonte: sbc
Link: Dia da Engenharia: confira a homenagem da SBC no Facebook

Confira a 30ª edição da Computação Brasil

É com muito orgulho que a Sociedade Brasileira de Computação divulga a 30ª edição da Computação Brasil, esta que traz uma singela homenagem a um dos pesquisadores mais importantes para a área da Computação no Brasil, o professor Luiz Fernando Gomes Soares.

Orientador de muitos profissionais, hoje líderes na academia e indústria, LF, como era conhecido por amigos, colegas e alunos, traz no seu legado muitas conquistas importantes para Computação e nós juntamos algumas aqui. Vem conferir a primeira edição deste ano da Computação Brasil que está emocionante!

http://www.sbc.org.br/publicacoes-2/298-computacao-brasil

Para plataformas smartphones acesse:
https://www.magtab.com/revista-computacao-brasil/

 

—————————-
Fonte: sbc
Link: Confira a 30ª edição da Computação Brasil

Estão abertas as inscrições para as JAI 2016

As Jornadas de Atualização em Informática (JAI) constituem um dos mais importantes eventos acadêmicos de atualização científica e tecnológica da área de Ciência da Computação do Brasil, tradicionalmente realizadas em conjunto com o Congresso da Sociedade Brasileira de Computação (CSBC).

Ministradas por pesquisadores seniores da nossa comunidade, as JAI são formadas por um conjunto de minicursos que focados em temas avançados, que não fazem parte dos currículos regulares de graduação e que oferecem uma oportunidade única para acadêmicos e profissionais de informática se atualizar em temas diversos com líderes de áreas de pesquisa no Brasil.

A inscrição nas JAI 2016 está condicionada à inscrição geral no CSBC 2016. Os valores são de R$ 80,00 até o dia 10/05, R$ 90,00 até o dia 20/06, R$ 110,00 a partir do dia 20/6 em diante.  

Se você já se inscreveu no CSBC 2016 e quer participar das JAI 2016 acesse seu cadastro no sistema ECOS e adicione a JAI de seu interesse à sua programação. Veja abaixo a lista das JAI 2016 e faça agora a sua inscrição.

Para saber mais sobre as datas e os assuntos de cada JAI deste ano clique aqui.

Lembrando:
Todo associado SBC tem descontos especiais! Associe-se e participe do maior Congresso da área da Computação por um preço bacana.

 

—————————-
Fonte: sbc
Link: Estão abertas as inscrições para as JAI 2016

Venha para o SIM/EMICRO 2016

Com a programação de caráter internacional o Simpósio Sul de Microeletrônica (SIM) e a Escola Sul de Microeletrônica (EMicro) tem circulado por diversas cidades da região Sul do país. A importância desses dois eventos vem dos anos que estão sendo realizados, a EMicro está em sua 18ª edição e o SIM na sua 31ª.

O objetivo do SIM/EMICRO 2016 é promover a troca de conhecimento científico entre alunos, pesquisadores nacionais e internacionais, vindo de empresas e universidades.

As edições desse ano ocorrerão em Porto Alegre/RS, de 11 a 14 de maio, no Instituto de Informática da Universidade Federal do Rio Grande do Sul.

Inscreva-se!

Mais informações acesse: http://inf.ufrgs.br/gme/emicro/   

 

—————————-
Fonte: sbc
Link: Venha para o SIM/EMICRO 2016

Convergindo para uma sociedade conectada e móvel

Ontem, 27 de abril de 2016, a maior escola regional de computação do Brasil em números de participantes, a ERBASE 2016, deu inicio as suas atividades em Maceió/AL.

Com o tema Convergindo para uma sociedade conectada e móvel, a ERBASE deste ano parte da idéia que objetos e pessoas comunicam-se a partir de arquiteturas da chamada Internet das Coisas (Internet of Things – IoT), que é baseada em computação nas nuvens e habilitada por redes de sensores, dispositivos móveis, middleware de serviços e outras plataformas de integração de dados.

A SBC esteve presente na abertura deste evento que traz um grande diferencial para pesquisadores, professores, alunos e profissionais de mercado dos estados da Bahia, Alagoas e Sergipe. Nossa Diretora de Marketing, Eliana Almeida, prestigiou o inicio do evento e destacou a importância das escolas regionais como eventos semeadores, sendo, para muitos dos estudantes que ali estão, um espaço para apresentação do primeiro artigo, para o despertar da pesquisa e inovação, para troca de experiências e aprendizado  e onde professores e pesquisadores descobrem novos talentos.

A ERBASE 2016 é mais uma realização da SBC, organizada pelo Instituto Federal de Alagoas.

Confira as fotos aqui.

 

—————————-
Fonte: sbc
Link: Convergindo para uma sociedade conectada e móvel

Temos muito o que aprender com o Facebook

facebook-793048_960_720

Li e refleti muito sobre um interessante artigo publicado na FastCompany, intitulado “Inside Mark Zuckerberg´s Bold Plan for the Future of Facebook”. É um case muito instigante de como uma empresa pós Internet desenha e coloca em prática suas estratégias, além de entender um pouco de como é sua operação nos bastidores. É uma visão muito diferente do planejamento estratégico das empresas tradicionais, porque na verdade Mark, fundador e CEO do Facebook, nem precisou “pensar fora da caixa”. Antes do FB ele nunca tinha gerenciado uma empresa. Aliás, ele nunca tinha sequer trabalhando em uma. Portanto, não tinha nem caixa para usar como referência.

O FB foi lançado em 2004 e fez seu IPO em fevereiro de 2012, como um simples site na web e um app incipiente, cercado de dúvidas e ceticismos se geraria receita. Hoje tem um valor de mercado de 300 bilhões de dólares. Não é uma empresa qualquer, mas contabiliza 1,5 bilhão de usuários ativos (um bilhão se logando em um único dia, com pelo menos nove em cada dez usuários acessando por um smartphone, ao menos parte do tempo), além de 900 milhões de usuários no WhatsApp, 400 milhões no Instagram, 700 milhões usando Messenger e outros 700 milhões no Groups. O FB e suas empresas são responsáveis por 4 das seis plataformas sociais mais acessadas do mundo. As outras duas são o YouTube a chinesa WeChat. O FB gera uma receita de cerca de 16 bilhões de dólares.

A visão de futuro do FB é uma aposta em duas tecnologias: Inteligência Artificial (sistemas cognitivos) e a combinação de realidade virtual com realidade aumentada (VR + AR). Todas as tecnologias têm o mesmo objetivo: aumentar a popularização do FB. A IA ajuda o FB a entender melhor seus usuários e aumentar sua participação na rede. Os usuários é que geram o conteúdo que o FB armazena e compartilha. VR+AR é considerada a forma de interação futura, para daqui a 5 a dez anos. Para o FB, a combinação VR+AR estará para as interfaces dos smartphones atuais assim como estes foram ruptura para as interfaces via mouse dos desktops.

Obviamente que o crescimento do FB decorre do aumento do seu uso pelos usuários atuais e futuros, daí a estratégia de também disseminar a Internet pela parcela dos usuários ainda fora dela (seu projeto de drones e o, às vezes polêmico, Internet.org). É uma estratégia diferente da adotada pelo Google, que cria várias iniciativas nem sempre conectadas entre si, variando de veículos autônomos a óculos inteligentes e computadores quânticos. A criação da holding Alphabet (uma “idea factory”) oficializa esta estratégia. Vale a pena ler o texto “Google Couldn’t Survive with One Strategy”. Mas, observem, o Google também tem um pensamento muito diferente das empresas tradicionais, pois não teme se arriscar em oceanos não navegados. Busca insistentemente o “oceano azul”.

Voltando ao FB, eles olham o longo prazo e então voltam ao hoje e definem o que será necessário fazer no próximo mês para atingir aquele objetivo de longo prazo. Para isso investe pesadamente, mesmo sabendo que o resultado não será no curto prazo. O exemplo da IA é emblemático. Como o alvo era contratar Yann LeCun, especialista em deep learning, o laboratório de IA foi criado em New York onde o pesquisador mora e dá aula, e não na sede do FB na Califórnia. Também o Connectivity Lab é outro exemplo, com o investimento em drones. Vale a pena ver este vídeo de pouco mais de três minutos sobre ele.

Outro aspecto interessante é a maneira de como adquire e integra empresas. Também diferente de muitas empresas tradicionais, que muitas vezes exterminam o “espírito” da empresa adquirida, as dissolvendo totalmente em sua estrutura e cultura. Os cases Instagram, WhatsApp e Oculus VR mostram essa diferença. No Instagram, por exemplo, os fundadores continuam à frente da operação. O que o FB fez foi integrar os serviços, que tem muito em comum, e apoiar a empresa com sua infraestrutura. O resultado é que o Instagram, em dez meses após sua aquisição, triplicou o número de usuários.

O FB também é uma usina de tecnologias. A imensa maioria é disponibilizada em open source, inclusive o projeto de criação de data centers e servidores. Para lidar com a montanha de usuários e dados que transitam a cada segundo pelo FB é necessário uma infraestrutura de tecnologia especial. O  Open Compute Project  mostra as especificações de hardware que o FB utiliza em seus servidores. Aliás, as grandes empresas da Internet não adquirem servidores dos fornecedores tradicionais. Desenham e montam (em fábricas na China) suas próprias máquinas. Sugiro a leitura de “Where in the World Is Google Building Servers?“. E já começam a projetar seus próprios chips…recomendo ler o texto “Amazon joins other web giants trying to design its own chips”.

Curioso é o comentário de Mark, “At the beginning of Facebook, I didn´t have an idea of how this was going to be a good business. I just thought it was a good thing to do!”.

Ou seja, as estratégias e os modelos de negócios foram sendo desenhados à medida que as coisas aconteciam. E não são imutáveis! As empresas pós Internet, como o FB, são um exemplo de como olhar a estratégia de forma disruptiva do paradigma atual.

Vale a pena refletir sobre suas visões e ações. São empresas ajustáveis dinamicamente. Temos muito que aprender com elas. Hoje é fundamental que os executivos aprendam a desaprender e a reaprender continuamente. A frase do economista britânico John Keynes está mais atual que nunca: “The difficulty lies not in the new ideas, but in escaping from the old ones, which ramify, for those brought up as most of us have been, into every corner of our minds”.

Fonte: Temos muito o que aprender com o Facebook