Atenção alunos: de 03/12 a 06/12 estará aberto o período de solicitação de Aproveitamento de Estudos e Certificação de Conhecimentos

Está aberto o edital para Aproveitamento de Estudos e Certificação de Conhecimentos. Esse edital refere-se ao aproveitamento de disciplinas do curso, que eventualmente tenham sido realizadas em outras instituições.
O aproveitamento das disciplinas do curso se dão de duas maneiras, e APENAS pode ser solicitada através desse edital e no período de sua vigência.

1 – Aproveitamento de estudos:

Se você cursou uma ou mais disciplinas em cursos de outras instituições você pode solicitar avaliação da matriz curricular/componente curricular para aproveitamento de disciplina.
O requisito necessário é tem 75% ou mais de compatibilidade entre a disciplina cursada e a disciplina solicitada. Também, o curso deve ser de mesmo nível.

2 – Certificação de conhecimento:

Se aplica quando você tem amplo conhecimento na área da disciplina, através da atuação profissional ou na realização de cursos. Nesse caso, você solicitará uma avaliação para certificação desses conhecimentos. Uma vez aprovado nessa avaliação (média 7,0) você não precisará cursar a disciplina referente.
Para abertura do processo você precisa ter comprovação através da Carteira de Trabalho, Razão Social da empresa ou certificado de realização de curso.
Para maiores informações consulte o registro acadêmico.
Não deixem para última hora!
Período de Solicitação de 03/12 a 06/12 no setor de registros acadêmicos.
Para maiores informações acesse o link do edital:

O Instagram agora vai permitir que você envie mensagens de voz

Se você gosta de se comunicar por áudio, olha que beleza, teremos mais uma forma de conversar dessa forma. Pessoalmente, eu abomino, mas para a felicidade de alguns (e a infelicidade de outros), agora você vai poder enviar mensagens de áudio no Instagram.

Instagram vai permitir chamadas de vídeo para até quatro pessoas simultaneamente

A função está disponível no Instagram Direct, área do app destinada a mensagens. Lá, você terá um ícone de microfone, que gravará sua voz por até um minuto enquanto ele permanece pressionado. Porém, diferente de outros materiais trocados via direct (como envio de Stories), o áudio fica lá para sempre.

Comparando com outros recursos, até que demorou para o Instagram aderir. O Facebook Messenger já tem a funcionalidade há um tempo, inclusive inspirado no WhatsApp, que na época não fazia parte do portfólio de plataformas da companhia de Mark Zuckerberg.

Ainda que eu não goste de enviar ou receber áudio, a funcionalidade pode ser interessante para quem tem ódio de ser corrigido automaticamente por um teclado virtual ou mesmo para enviar mensagens enquanto está ocupado.

Com a medida, o Instagram passa a se tornar uma ferramenta de comunicação completa, que oferece também a possibilidade de enviar mensagem de texto (com direito a gifs) e realizar videoconferências.

The post O Instagram agora vai permitir que você envie mensagens de voz appeared first on Gizmodo Brasil.

Fonte: O Instagram agora vai permitir que você envie mensagens de voz

Google+ será encerrado mais cedo após novo bug afetar 52 milhões de usuários

Em outubro, a Alphabet – empresa-mãe do Google – anunciou que iria começar a fechar sua rede social, o Google+, após investigações internas revelarem bugs que poderiam ter vazado informações do usuário. O período proposto de 10 meses para o encerramento foi reduzido para apenas 90 dias, agora que um bug adicional na API foi descoberto, afetando cerca de 52,5 milhões de usuários.

• Hora de dar tchau: o Google+ vai ser desativado em agosto de 2019

Sua primeira reação pode muito bem ser “eita, o Google+ tem 52,5 milhões de usuários?” e sim, nós compartilhamos sua surpresa.

E não foram poucos dados vazados: nomes completos, idades, gênero, status de relacionamento, endereços de e-mail, ocupações e/ou escolas frequentadas, e locais de residência.

O bug, de acordo com o Google, “concedeu permissão para visualizar informações de perfil sobre o usuário mesmo quando as configurações estavam como não-público” durante os seis dias entre a descoberta do erro em novembro e sua correção.

O Google+ representa um alvo tão irrelevante que a empresa alega não ter encontrado “nenhuma evidência de que os desenvolvedores que tiveram esse acesso por seis dias estavam cientes dele ou o usaram indevidamente de alguma forma”.

Então, novamente, mais detalhes podem surgir, e se eles o fizerem, não seria a primeira vez que uma empresa de tecnologia minimizaria o impacto de um vazamento de dados.

Google, por razões desconhecidas, afirmou que, embora o Google+ para o público geral dará o seu último suspiro em abril, a empresa vai “continuar a investir no Google+ para empresas”, seja lá o que isso signifique.

The post Google+ será encerrado mais cedo após novo bug afetar 52 milhões de usuários appeared first on Gizmodo Brasil.

Fonte: Google+ será encerrado mais cedo após novo bug afetar 52 milhões de usuários

Por que cientistas tentaram medir toda a luz já emitida das estrelas

Astrônomos anunciaram durante a semana que tentaram medir toda a luz das estrelas no universo.

Você deve estar se perguntando por quê. Em última análise, eles estão tentando contar a história do Universo.

• O Paradoxo de Fermi: onde é que estão as outras Terras?

“Queríamos saber como a história da formação de estrelas se deu”, disse Kari Helgason, cientista do Instituto Max Planck de Astrofísica, na Alemanha, em entrevista ao Gizmodo.

A “luz de fundo extragaláctica” se difunde por todo o universo. Ela também é chamada de EBL (sigla em inglês para “extragalactic background light”) e é composta por fótons emitidos por todas as estrelas das galáxias em comprimentos de onda infravermelha, óptica e ultravioleta. Voltando no tempo, essa luz é a soma de toda a luz emitida pelas estrelas desde o Big Bang até o momento e a distância que você olha — lembre-se, a distância é a mesma do tempo no espaço, então olhar para uma região mais distante significa olhar menos estrelas. A EBL pode enfraquecer os raios gama. Então, os cientistas mediram os raios gama vindos de quasares distantes para ver se eles carregavam a assinatura de uma sombra dessa luz das estrelas. Com essa informação, os cientistas podem fazer uma declaração sobre a velocidade de formação de estrelas ao longo do tempo.

Os pesquisadores analisaram raios gama de nove anos a partir de dados coletados pelo Telescópio Espacial de Raios Gama Fermi. Especificamente, eles analisaram 739 blazars, que são buracos negros expelindo jatos de matéria apontados para a Terra, e uma explosão de raios gama. Esses objetos datavam de 200 milhões a 11,6 bilhões de anos. Eles aplicaram uma equação a todos os dados que calculou a luz de fundo total, de acordo com o novo estudo, publicado na Science.

Os resultados foram consistentes com as tentativas anteriores de medir a luz de fundo extragaláctica, mostrando que a formação de estrelas atingiu seu máximo cerca de dez bilhões de anos atrás.

No entanto, a luz de fundo extragaláctica é intrigante por outras razões, escreve Elisa Prandini, física de astropartículas da Universidade de Pádua, na Itália, em um comentário para a Science. A medição fornece um limite para quantas galáxias fracas existiam por volta de 12 bilhões de anos atrás. Acredita-se que essas galáxias tenham causado uma “era de reionização”, um momento importante na história do universo quando, após os primeiros átomos foram formados a partir de prótons combinados com elétrons, a energia das novas galáxias os dividiu de volta. Mas poucas fontes foram usadas para fazer essa medida específica, diz a cientista. Portanto, mais observações de fontes distantes de raios gama poderiam esclarecer as coisas.

Além disso, a luz de fundo extragaláctica poderia fornecer uma nova maneira de caçar partículas nunca antes vistas, afirma Prandini.

O estudo tem suas limitações, diz Helgason — eles presumiram que toda a luz de fundo tenha vindo das estrelas, mas buracos negros poderosos também podem expelir radiação para o espaço. As estimativas atuais sugerem que eles não contribuem muito com o total, mas vale uma análise mais profunda, apenas por precaução.

[Science]

The post Por que cientistas tentaram medir toda a luz já emitida das estrelas appeared first on Gizmodo Brasil.

Fonte: Por que cientistas tentaram medir toda a luz já emitida das estrelas

Em vez de ouvir seus funcionários, Google estaria aumentando esforços para demitir quem vaza informações

Adoraríamos poder dizer que, depois de um ano de protestos por parte de seu próprio quadro de funcionários contra o trabalho com os militares, supostos planos para construir um mecanismo de busca censurado para a China e de lidar mal com alegações de assédio sexual contra executivos, o Google está fazendo um exame de consciência e autorreflexão sobre o verdadeiro significado do seu slogan extraoficial “Don’t be evil” (“Não seja mau”). Mas, obviamente, não é o caso. Pelo contrário. De acordo com o jornal britânico The Times, eles estariam, na verdade, redobrando os esforços para caçar e demitir vazadores de informação.

A notícia de um esforço renovado para eliminar os funcionários que ousam falar com a mídia vem por meio de Jack Poulson, um ex-pesquisador científico do Google que disse que deixou a empresa por causa de suas preocupações com o Projeto Dragonfly, o motor de busca censurado que o Google estaria construindo para entrar no mercado chinês com a bênção dos censores estatais do país asiático. Poulson disse ao Times que parar os vazamentos é agora a “prioridade número um” para a administração do Google, com a equipe formando uma página interna na web para relatar contatos não autorizados com a mídia, e um engenheiro de alto escalão gritando “vão se foder, vazadores”, durante uma reunião com todos os funcionários. O jornal escreveu:

Os funcionários na sede da empresa perto de San Jose, na Califórnia, são incentivados a monitorar seus colegas e listar em uma página da web dentro do Google chamada “Stopleaks” qualquer informação confidencial que eles vejam externamente. Qualquer pessoa que for pega revelando informações à imprensa é demitida.

As tensões entre os trabalhadores por causa de vazamentos de informação para a imprensa deram também origem a discussões despropositadas, revelou Poulson. Durante uma sessão de perguntas e respostas em uma reunião com toda a empresa, um engenheiro de alto escalão pegou o microfone para gritar “vão se foder, vazadores” aos seus colegas… Poulson disse que as preocupações dos funcionários com o Dragonfly têm sido amplamente ignoradas pela administração, que está focada na prevenção de vazamentos. “A narrativa é que vazar informações é ruim e que a prioridade número um é evitar qualquer vazamento”, disse Poulson, que trabalhou para o Google por dois anos e meio, tanto na sede da empresa quanto em seu escritório em Toronto.

Notavelmente, Poulson escreveu em uma carta aos membros do Comitê de Comércio, Ciência e Transportes do Senado que ele só soube do Dragonfly por meio de reportagens da imprensa, que tiveram origem no Intercept, apesar dos esforços dos funcionários para que a alta administração divulgue mais informações sobre aquilo em que estavam trabalhando. Da mesma forma, o trabalho do Google com o Pentágono para construir ferramentas de IA para analisar imagens de drones se tornou público por meio de funcionários anônimos que falaram com o Gizmodo. O tratamento da companhia a pelo menos três casos de gerentes de alto escalão acusados de má conduta sexual, que incluiu pagamentos em dinheiro não obrigatórios a dois executivos que saíram e a permanência de um terceiro “em um cargo altamente compensado na empresa”, ficou conhecido em parte por causa de funcionários atuais e antigos que falaram com o New York Times, muitos anonimamente.

Batalhas em torno da suposta cultura de sigilo do Google não são novas. Em 2016, documentos judiciais de um processo de um engenheiro do Google que disse ter sido falsamente acusado de vazar informações para a mídia alegavam que os acordos de confidencialidade dos funcionários os restringiam de tornar pública, “sem limitação, qualquer informação de qualquer forma que se relacione com o Google ou o negócio do Google que não seja de conhecimento geral”. Notícias sobre um “programa de espionagem” interno (Stopleaks) também surgiram naquele ano. Porém, com três das maiores dores de cabeça da gigante da tecnologia deste ano sendo, pelo menos parcialmente, resultado de informantes revelando coisas, a administração parece estar enfrentando o problema de forma mais beligerante.

Também gigante da tecnologia, o Facebook, que tem sido atormentado recentemente com inúmeros escândalos que vão desde falhas de privacidade até alegações de cumplicidade com genocídio, também estaria supostamente reprimindo vazamentos. Em novembro, o Wall Street Journal noticiou que o CEO Mark Zuckerberg havia declarado a empresa estava “em guerra” para proteger sua imagem e culpou a mídia pelo “mau moral”, o que no mínimo é uma compreensão errada do problema. Logo depois, Zuckerberg basicamente começou a afirmar que alguns dos escândalos recentes da empresa eram notícias falsas. Uma reportagem no BuzzFeed News alegou que alguns funcionários do Facebook estavam paranoicos o suficiente ao ponto de usar “telefones descartáveis” para discutir questões no trabalho, com um vazador dizendo ao site:

“São pessoas normalmente sãs e racionais que estão na órbita de Mark lançando uma retórica antimídia, dizendo que a imprensa está se unindo contra o Facebook”, disse um ex-funcionário de alto escalão ao BuzzFeed News. “É a mentalidade do bunker. Essas pessoas estão sob cerco há 600 dias. Elas estão ficando cansadas, irritadas — a única estratégia de sobrevivência é desistir ou mergulhar de cabeça.”

Em um incidente separado, um executivo da Amazon repreendeu publicamente “o gênio vazando informações” sobre a busca nacional da empresa por um local para sua segunda sede, dizendo que quem vazou informações sobre um local no norte da Virgínia (confirmado mais tarde) deveria “parar de tratar como um guardanapo usado o acordo de não divulgação que assinou”.

Entramos em contato com o Google para comentários e vamos atualizar este post se tivermos uma resposta.

The post Em vez de ouvir seus funcionários, Google estaria aumentando esforços para demitir quem vaza informações appeared first on Gizmodo Brasil.

Fonte: Em vez de ouvir seus funcionários, Google estaria aumentando esforços para demitir quem vaza informações

Quais eram os empregos do futuro segundo especialistas de 1988

Fazer previsões é difícil, sabemos disso. Mas há um campo em que a previsão pode ser ainda mais difícil do que os prognósticos sobre as casas em que viveremos ou os carros que usaremos: o tipo de emprego que teremos.

• Polícia do futuro imaginada nos anos 1950 voaria sobre o trânsito para salvar nossas vidas
• Nova técnica de preservação cerebral pode ser um caminho para a transferência mental

Especialistas estão sempre tentando descobrir para qual caminho a sociedade está indo e, com base nisso, determinar quais serão os trabalhos do futuro. E esse tipo de previsão parece sempre trazer as ideias mais malucas, principalmente quando a sociedade não segue necessariamente os caminhos esperados.

O final da década de 1980 e o início dos anos 1990 foi uma época de muitas reviravoltas para quem procurava por um emprego. A automação estava começando a colocar suas garras tanto em trabalhos intelectuais quanto em trabalhos braçais, fazendo com que especialistas se preocupassem com uma grande retração.

E eles não estavam totalmente errados. Porém, algumas das reviravoltas previstas – especialmente as que falavam da exploração físicas de lugares estranhos como a Lua e os oceanos – não deram certo.

Um artigo publicado no dia 5 de setembro de 1988 no jornal Press and Sun-Bulletin, de Nova York, falava com diversos especialistas sobre como os trabalhos do futuro seriam. A primeira fala do artigo é de S. Norman Feingold, um psicólogo clínico e consultor de carreiras que morreu em 2005.

Do artigo de 1988:

Feingold prevê uma série de carreiras exóticas: gerente de hotel no oceano, consultor de bem-estar, especialista em direito esportivo, astrônomo lunar e até treinador de robôs.

Quase todos os itens da sua lista existem hoje como um trabalho possível – talvez a única exceção seja “astrônomo lunar”. E não há muitos “gerentes de hotel no oceano”, pelo menos não da maneira como os futuristas da década de 1980 teriam imaginado. Em tese, deveríamos ter vastas cidades sob as ondas do oceano hoje em dia. Ou, pelo menos, cidades em cima dos oceanos – não muito diferentes das fantasias anarcocapitalistas de hoje em dia.

Mas o artigo não falou apenas com Feingold. A matéria também cita o professor de engenharia da George Tech Alan Porter, que deu sua opinião sobre o futuro do fast food:

Ele prevê inovações como “o Autoburger”, um estabelecimento de fast-food parecido com o McDonald’s, mas sem trabalhadores humanos.

A previsão também quase acerta com a realidade atual – o caso é que isso já é possível, mas ainda não se popularizou tanto. O McDonald’s tem alguns restaurantes super automatizados, mas os humanos ainda estão trabalhando nesses lugares.

O Caliburger, em Pasadena, na Califórnia, tem um robô chapeiro chamado “Flippy”. E a Creator, uma empresa que vende máquinas que fazem hambúrgueres, abriu um “restaurante robotizado” neste ano.

Mas, assim como a ausência de caixas humanos em supermercados e grandes varejistas, se livrar do trabalhador de carne e osso não necessariamente torna algo mais eficiente. Muitas vezes, apenas transfere a mão de obra para o consumidor.

E o artigo termina com um misto de boas e más previsões:

Marvin Cetron, um analista tecnológico, analisa o ano 2000 e prevê uma semana de trabalho de 32 horas. “O único trabalho que uma mulher não vai fazer é o de padre católico”, disse ele.

Cetron disse que estudantes universitários do futuro estudarão pesquisa de enzimas, engenharia genética e robótica.

No topo da lista de previsões de Cetron para candidatos a emprego do futuro: “Certifique-se de ter conhecimentos de informática. Você não vai conseguir entrar no mercado de trabalho se não tiver isso. Vai ser uma necessidade tão básica quanto dirigir um carro”.

É preciso ser um letrado em informática? Isso parece óbvio, olhando em retrospecto. Só não diga isso para o ministro de cibersegurança do Japão, Yoshitaka Sakurada. Aos 68 anos, ele nunca usou um computador na vida. Sakurada tem “secretários” que fazem o trabalho por ele. Ele é um dos últimos com essa tradição, pelo menos.

Como você acha que será o trabalho daqui a 30 anos? Eu suspeito que muitos “especialistas” falarão sobre os profissionais de logística de entregas com drones em lojas do varejo, técnicos em Hyperloop e especialistas em terraformação de Marte.

Mas nenhuma dessas coisas está garantida para o nosso futuro. Embora “guia de safári em Marte” pareça um trabalho legal e futurista, é preciso percorrer um longo caminho para chegar no emprego dos sonhos.

The post Quais eram os empregos do futuro segundo especialistas de 1988 appeared first on Gizmodo Brasil.

Fonte: Quais eram os empregos do futuro segundo especialistas de 1988

Os melhores apps da semana para Android

Apps para dormir na hora certa, criar vídeos de timelapse e encontrar a sua próxima tatuagem. Confira nossas sugestões desta semana de aplicativos para dispositivos Android.

Go to Sleep

O app de código aberto Go to Sleep, como o nome sugere, tem como objetivo ajudar a melhorar a qualidade do seu sono ao lembrá-lo da hora de dormir, com a possibilidade de customizar mensagens de notificação. Após o horário determinado por você, o app permite silenciar notificações (exceto pelo alarme, é claro).

Download: Go to Sleep (grátis, com compras no app)

divisoriagizmodo

Zoetic



O Zoetic é um app bem original que permite que você crie uma espécie de vídeo de timelapse a partir de fotos, evidenciando, por exemplo, o crescimento do seu filho em fotos ao longo dos anos, a mudança de estações ou a construção de uma casa ou obra do tipo. O app encontra pontos em comum nas fotos para mostrar a evolução.

Download: Zoetic (grátis)

divisoriagizmodoBridge

O Bridge é um app bem útil para quem tem mais de um dispositivo Android. Recebeu uma mensagem no seu smartphone, mas está utilizando seu tablet no momento? A notificação chega para ambos os gadgets, e você tem funções rápidas disponíveis na notificação, como responder rapidamente ou ligar para o contato.

Download: Bridge (grátis, sem anúncios, com compras no app)

divisoriagizmodo

Tattoodo



O Tattoodo é para quem curte tatuagens. Nele, você pode compartilhar as suas, salvar desenhos que outras pessoas publicaram, criar coleções e se conectar com artistas de todo o mundo. Ele vem também com um recurso para visualizar os tatuadores próximos de você e suas avaliações.

Download: Tattoodo (grátis)

divisoriagizmodo

Command & Conquer: Rivals



Esta semana viu o lançamento mundial do game Command & Conquer: Rivals, versão renovada para smartphones da consagrada franquia (embora tenha fã antigo da série reclamando do trabalho feito para dispositivos móveis). No game, seu objetivo é criar tropas diversificadas para superar os adversários no campo de batalha. Infelizmente, é o caso clássico de jogo “pague para vencer”.

Download: Command & Conquer: Rivals (grátis, com compras no app)

divisoriagizmodo

Tem alguma sugestão? Deixe sua dica nos comentários!

The post Os melhores apps da semana para Android appeared first on Gizmodo Brasil.

Fonte: Os melhores apps da semana para Android

Novas imagens mostram que a sonda InSight, da NASA, pousou em um lugar excelente em Marte

Faz 11 dias que a sonda InSight fez a sua aterrissagem perfeita em Marte. Novas fotos vívidas tiradas do local de pouso finalmente estão dando aos controladores de missão uma ideia da paisagem ao redor da sonda estacionária — e os primeiros sinais são muito positivos.

• A sonda InSight já pousou em Marte — e agora?
• Elon Musk nega que colônia da SpaceX em Marte será “saída de emergência” para os ricos

Depois de seis anos de planeamento, US$ 814 milhões em custos de desenvolvimento e uma bem-sucedida viagem de 482 milhões de quilômetros até Marte, a receita para a NASA agora é exercitar a paciência.

InSight pousou em Elysium Planitia, uma planície localizada ao norte do equador marciano, em 26 de novembro, o que já parece uma eternidade. Ainda não vimos muito da sonda, além de uma fotografia empoeirada tirada durante a aterrissagem e uma imagem limpa mas discreta do ambiente próximo da sonda.

“Hoje conseguimos ver os primeiros vislumbres do nosso local de trabalho.”

No entanto, estamos finalmente no estágio em que os operadores da missão podem começar a revelar, muito lenta e metodicamente, os vários instrumentos da sonda, incluindo o seu braço de dois metros de comprimento.

O apêndice robótico parece estar funcionando normalmente, assim como a “Câmera de Implantação de Instrumentos” (IDC) acoplada ao cotovelo. Com o tempo, o braço será usado para pegar instrumentos científicos do deck da InSight, colocando-os suavemente na superfície marciana.

Assim que a missão estiver a todo vapor, essa ferramenta será o primeiro braço robótico a colocar instrumentos na superfície de outro planeta, incluindo um sismômetro e uma sonda de fluxo de calor.

Por ora, a Câmera de Implantação de Instrumentos da InSight está sendo usada para tirar fotos do terreno ao redor do pousador. E, rapaz, que belo lugar para a sonda aterrissar. Dá só uma olhada nessa foto:

A superfície marciana, como mostrada pela imagem da Câmera de Implantação de Instrumentos conectada ao braço robótico do InSight. Imagem: NASA/JPL-Caltech

“Hoje conseguimos ver os primeiros vislumbres do nosso local de trabalho”, disse Bruce Banerdt, investigador principal da missão da NASA, em um comunicado. “No começo da próxima semana, estaremos fazendo imagens com mais detalhes e criando um mosaico completo.”

De fato, serão necessárias mais imagens para pintar um quadro completo das novas escavações da InSight, mas esse lugar parece incrível — especialmente para uma sonda projetada para perfurar a superfície marciana.

Fotografias tiradas pelo lander mostram uma superfície relativamente plana e com poeira, livre de rochas problemáticas. Sempre houve a preocupação de que a sonda pudesse pousar em cima de uma rocha grande e parcialmente enterrada. Imagine, por exemplo, se ela tivesse aterrissado no topo de uma dessas rochas no horizonte, conforme a figura abaixo.

Vista ampliada do horizonte da Elysium Planitia, mostrando algumas pedras bem grandes ao fundo. Imagem: NASA/JPL-Caltech/Gizmodo

A InSight tem outra ferramenta de imagem, a Câmera de Contexto de Instrumentos, que irá observar o terreno próximo ao redor e abaixo do deck do lander. As fotos produzidas por essa câmera não serão tão bonitas, mas terão uma função utilitária. Infelizmente, e apesar de uma capa protetora sobre a câmera, a poeira de alguma forma conseguiu entrar na lente, de acordo com a NASA.

“Tínhamos uma capa protetora na Câmera de Contexto de Instrumentos, mas de alguma forma a poeira ainda conseguiu entrar na lente”, disse o gerente de projeto da InSight, Tom Hoffman, do Laboratório de Propulsão a Jato (JPL) da NASA. “Embora isso seja uma infelicidade, não afetará o papel da câmera, que é tirar imagens da área em frente ao aterrissador, onde nossos instrumentos serão futuramente colocados.”

O local de pouso é maravilhosamente tranquilo, como mostra a imagem da Câmera de Implantação de Instrumentos conectada ao braço robótico da InSight. Imagem: NASA/JPL-Caltech

A NASA diz que os instrumentos da InSight podem não estar totalmente posicionados e calibrados por mais 30 a 60 dias. Um desses instrumentos, o “Subsistema de Sensor Auxiliar de Carga Útil”, irá posteriormente coletar dados meteorológicos essenciais, como velocidade do vento e temperatura do ar. Dito isso, o sensor de pressão da sonda parece estar funcionando e já detectou uma queda repentina na pressão do ar, um possível sinal de redemoinho de poeira, disse a NASA.

A superfície marciana, como mostrada pela imagem da Câmera de Implantação de Instrumentos conectada ao braço robótico do InSight. Imagem: NASA/JPL-Caltech

A NASA está deliberadamente indo devagar, como previsto no plano. A InSight, por exemplo, é equipada com um recurso que permite que qualquer leitura inesperada acione automaticamente uma “falha”. Quando isso acontece, a sonda interrompe as operações imediatamente e aguarda que os operadores avaliem a situação e deem os próximos passos necessários.

Uma das razões por trás disso tem a ver com o atraso de tempo; dada a enorme distância entre a Terra e Marte, são necessários cerca de 12,5 minutos para que as instruções cheguem à sonda. Portanto, os operadores da NASA não podem trabalhar em tempo real. A agência diz que uma falha já foi acionada, atrasando o primeiro lote de imagens que deveriam ter sido entregues à Terra no último fim de semana.

“Fizemos testes extensivos na Terra. Mas sabemos que tudo é um pouco diferente para o aterrissador em Marte, então, as falhas não são incomuns”, disse Hoffman. “Elas podem atrasar as operações, mas não estamos com pressa. Queremos ter certeza de que cada operação que realizamos em Marte é segura, por isso, configuramos nossos monitores de segurança para serem bastante sensíveis inicialmente.”

De fato, tem muito tempo de sobra, e a NASA pode se dar ao luxo de ser paciente. A missão InSight está programada para durar dois anos. À medida que as coisas comecem a funcionar, vamos saborear essas imagens notáveis tiradas da superfície de um mundo alienígena.

[NASA]

The post Novas imagens mostram que a sonda InSight, da NASA, pousou em um lugar excelente em Marte appeared first on Gizmodo Brasil.

Fonte: Novas imagens mostram que a sonda InSight, da NASA, pousou em um lugar excelente em Marte

Google decidiu que tinha muitos apps de mensagem e cortou dois – agora são só cinco

O Google anunciou uma reformulação na organização de seus aplicativos de mensagens. Apesar da tentativa, a bagunça ainda é grande, e pelo menos cinco aplicativos de chat da companhia estarão disponíveis para os usuários.

• Parece que o Google vai encerrar o Hangouts para consumidores em 2020
• Google anuncia o fim do GTalk em último passo da transição para o Hangouts

Basicamente, Allo e Hangouts darão adeus. Este último, no entanto, não irá embora para sempre – o Google decidiu que ele será divido entre Hangouts Chat (para mensagens de texto) e Hangouts Meet (para videochamadas).

Essas duas opções do Hangouts já estavam disponíveis, mas apenas para os usuários do pacote empresarial do Google, o GSuite. A partir de agora, haverá uma transição gradual dos usuários do Hangouts para esses dois aplicativos separados – na publicação oficial da empresa, não há definição de data para o encerramento do app original.

Curiosamente, outro aplicativo para videochamadas, o Duo, continuará disponível.

Isso parece só aumentar a confusão para os usuários, mas pelo jeito é assim que a banda vai tocar. Segundo o Google, o objetivo é “oferecer uma experiência de comunicação mais simples e unificada”.

Aparentemente, todos esses apps são confusos até para eles, já que o Google Voice não foi mencionado na publicação do blog, mas deve continuar funcionando.

Como lembra o ArsTechnica, o Hangouts é o aplicativo de mensagens mais antigo do Google em funcionamento. O app está disponível para Android, iOS e web. Além disso, ele era integrado ao Gmail e tinha também uma extensão para o Chrome. O serviço funcionava para mensagens de texto, chamadas de voz e chamadas de vídeo.

Um aplicativo que permanece e ainda deve viver por bastante tempo é o Mensagens, app de SMS padrão do Android. Ele irá incorporar algumas funcionalidades do Allo, que já tinha tido seu desenvolvimento “pausado” no começo deste ano, e seguir na adoção do padrão RCS. O Allo será descontinuado por completo em março de 2019.

Allo e Hangouts se juntarão ao Google Talk, Google Spaces, Google Wave, Google+ Messenger e Google Buzz no cemitério de aplicativos de mensagens da companhia.

Descansem em paz.

[Google, ArsTechnica]

The post Google decidiu que tinha muitos apps de mensagem e cortou dois – agora são só cinco appeared first on Gizmodo Brasil.

Fonte: Google decidiu que tinha muitos apps de mensagem e cortou dois – agora são só cinco

Agora você pode fazer eletrocardiogramas usando seu Apple Watch Series 4

Quando o Apple Watch Series 4 começou a ser enviado a seus compradores há alguns meses, seu recurso de eletrocardiograma ainda estava em desenvolvimento. Agora, ele não está mais. A Apple acaba de lançar sua atualização 5.1.2 para o watchOS, que adiciona o tão esperado aplicativo ECG.

• O recurso de eletrocardiograma do novo Apple Watch presta mesmo?

Embora os usuários já tenham recebido notificações sobre ritmos cardíacos irregulares, o ECG levará as coisas um passo adiante.

Para fazer um eletrocardiograma, basta abrir o aplicativo de ECG no seu relógio da Series 4 e manter um dedo sobre a coroa digital por 30 segundos. Os dois pontos de contato são o equivalente a um único ECG de derivação. De acordo com a Apple, cada leitura será classificada como fibrilação atrial (AFib), ritmo sinusal (normal) ou inconclusiva. Os resultados serão salvos no aplicativo Saúde e também podem ser exportados para PDFs para compartilhar com os médicos.

Tum-tum. Tum-tum. Tum-tum. GIF: Apple

Mesmo assim, encare seus resultados com uma dose leve e saudável de ceticismo. Os ECGs feitos pelo seu médico geralmente envolvem 12 derivações, enquanto a Series 4 é de apenas uma única derivação. E embora a Apple recebeu a aprovação do FDA (órgão norte-americano que regula questões de alimentação e saúde) para os Apple Watches da Series 4, esta é uma classificação inédita.

Basicamente, isso significa que é um dispositivo novo, que provavelmente não causará danos, e não o equivalente a um dispositivo médico hospitalar. Ainda assim, a Apple diz ter conduzido um teste envolvendo 600 participantes e obteve sensibilidade de 98,3% na classificação de Afib e 99,6% com ritmos sinusais.

Para obter a nova atualização, basta ir ao aplicativo Watch no seu iPhone e navegar até Geral. Uma vez lá, você verá uma notificação no menu Atualização de Software. Se você não vir a atualização imediatamente, pode demorar um segundo para que a distribuição chegue até você. Eu ainda não a recebi, apesar de várias tentativas. No entanto, tenha em mente que o recurso de ECG requer o cristal traseiro e os eletrodos da Series 4, portanto, se você tiver um Apple Watch mais antigo, não poderá usar o recurso. No máximo, com a nova versão do sistema operacional, você conseguirá receber notificações se há algum tipo de irregularidade em seus batimentos cardíacos.

The post Agora você pode fazer eletrocardiogramas usando seu Apple Watch Series 4 appeared first on Gizmodo Brasil.

Fonte: Agora você pode fazer eletrocardiogramas usando seu Apple Watch Series 4

O 5G já está em testes nos EUA, mas ainda falta dar uma noção real de velocidade da rede

A indústria da tecnologia está alimentando um baita hype em relação ao 5G. No papel, as possibilidades são muitas: conexão à internet gigabit sem latência, possibilidade de ter tudo quanto é dispositivo conectado e, na manufatura, uma série de oportunidades de análise de dados de produção em tempo real — para ficar só em algumas aplicações.

A boa notícia é que parte disso já está se tornando realidade. Nos Estados Unidos, duas grandes operadoras, AT&T e Verizon, já estão fazendo uma série de testes e devem começar suas operações comerciais do 5G agora em 2019. De negativo, está o fato que ainda as demonstrações, pelo menos durante o Snapdragon Summit — evento anual da Qualcomm, a companhia norte-americana desenvolvedora de chips, realizado em Maui (Havaí) — foram um pouco limitadas.

• Finalmente conseguiram construir antenas 5G que cabem em um smartphone
• 5G se aproxima do Brasil com planos da Anatel de leiloar frequências em 2019

Durante a ocasião, foram exibidas algumas demonstrações de possibilidades do 5G, com aplicações interessantes, porém muito controladas.

Quantos Gbps?

Uma das mais impressionantes era de um smartphone conceito da Samsung com o chip Snapdragon 855 — que deve equipar toda a linha de smartphones topo de linha de 2019. Ele estava fazendo o streaming de um vídeo em 4K e transmitindo para uma TV gigante. Até aí, ok, né? Mas a gente não pôde operar o telefone ou mesmo ver as velocidades que estava atingindo durante o processo. O aparelho era manuseado apenas por um funcionário da empresa sul-coreana. Só conseguimos ver que, quando um aparelho está conectado a uma rede 5G, ele mostra “5G UWB” (Ultrawide Band) na tela.

Em um estande da Motorola, foi possível ver um Moto Z3 equipado com um Moto Snap 5G, que é basicamente um modem com um monte de antenas compatíveis com a nova tecnologia. Após algumas tentativas, pude fazer alguns vídeos mostrando uma aplicação que baixa arquivos super rápidos. Um arquivo de fotos de 250 MB levou 4 segundos para ser baixado. Um jogo multiplayer de 1 GB o download levou 16 segundos. Um filme de 2 GB levou ao todo 36 segundos. É interessante, mas não foi possível executar testes independentes, sem contar que a rede 5G local apresentou instabilidade — teve um momento em que ela simplesmente parou de funcionar.

Ao The Verge, a Ericsson, que montou a rede das operadoras norte-americanas no evento da Qualcomm, disse que eles usaram apenas 100 MHz de espectro, quando o ideal para o 5G seja entre 400 e 800 MHz. As empresas envolvidas, também em conversa com o site norte-americano, disseram que a ideia principal era mostrar aplicações do 5G, e não necessariamente velocidade.

Resumindo: as demonstrações controladas davam alguma ideia de aplicações para o 5G, mas não mostravam a velocidade real.

De qualquer jeito, o cenário de 5G está começando a se tornar realidade e, creio, estamos próximos de ver exemplos reais de velocidade. Em um vídeo, a Verizon mostrou alguns testes feitos nos EUA em que antenas 5G foram colocadas próximas às de 4G. De modo geral, a velocidade variou entre 700 Mbps a 1 Gbps.

“5G vai ser parte básica de infraestrutura, como eletricidade. No momento, estamos criando uma fundação da tecnologia para smartphones, mas que depois vai ser aplicada em carros e todos os outros eletrônicos”, disse o brasileiro Christiano Amon, presidente da Qualcomm, durante apresentação do evento.

Que nossa vida foi transformada com a presença dos dispositivos sempre conectados, ninguém tem dúvida. Mas, de fato, falta ainda vermos na prática como o 5G vai ser.

*O jornalista viajou para Maui (Havaí) a convite da Qualcomm

The post O 5G já está em testes nos EUA, mas ainda falta dar uma noção real de velocidade da rede appeared first on Gizmodo Brasil.

Fonte: O 5G já está em testes nos EUA, mas ainda falta dar uma noção real de velocidade da rede