O Que Homens e Mulheres Querem no Casamento: a Evolução

Fonte: O Que Homens e Mulheres Querem no Casamento: a Evolução

O que homens e mulheres querem dos seus cônjuges?

Abaixo, você pode ver como algumas características e traços desejados foram modificando-se ao longo dos últimos 70 anos.

Boxer et al (referência abaixo) listou e comparou as respostas do que as pessoas procuram em um parceiro. Max Roser, do Our World in Data, pegou os primeiros e últimos resultados das pesquisas feitas por esses autores e criou o gráfico abaixo.

Esse gráfico nos permite comparar a importância relativa dessas características em 1939 e sete décadas depois.

Qual seria o traço mais desejado?

O grande vencedor é “Atração mútua – amor“, o aspecto mais importante para homens e mulheres e possivelmente, continuará sendo no futuro! Educação, inteligência” e “sociabilidade” também aumentaram sua importância. Os atributos que mais declinaram foram ‘Boa saúde’ e ‘Pureza’.

Casamento comparação

Os dados são da Christie F. Boxer, Mary C. Noonan, e Christine B. Whelan (2013). Veja aqui.

Fonte: Our World in Data

O post O Que Homens e Mulheres Querem no Casamento: a Evolução apareceu primeiro em O Futuro das Coisas.

O Que Homens e Mulheres Querem no Casamento: a Evolução

Fonte: O Que Homens e Mulheres Querem no Casamento: a Evolução

O que homens e mulheres querem dos seus cônjuges?

Abaixo, você pode ver como algumas características e traços desejados foram modificando-se ao longo dos últimos 70 anos.

Boxer et al (referência abaixo) listou e comparou as respostas do que as pessoas procuram em um parceiro. Max Roser, do Our World in Data, pegou os primeiros e últimos resultados das pesquisas feitas por esses autores e criou o gráfico abaixo.

Esse gráfico nos permite comparar a importância relativa dessas características em 1939 e sete décadas depois.

Qual seria o traço mais desejado?

O grande vencedor é “Atração mútua – amor“, o aspecto mais importante para homens e mulheres e possivelmente, continuará sendo no futuro! Educação, inteligência” e “sociabilidade” também aumentaram sua importância. Os atributos que mais declinaram foram ‘Boa saúde’ e ‘Pureza’.

Casamento comparação

Os dados são da Christie F. Boxer, Mary C. Noonan, e Christine B. Whelan (2013). Veja aqui.

Fonte: Our World in Data

O post O Que Homens e Mulheres Querem no Casamento: a Evolução apareceu primeiro em O Futuro das Coisas.

Dia da Engenharia: confira a homenagem da SBC no Facebook

No dia 10 de abril, comemora-se o Dia da Engenharia. Em referência à data, a SBC criou uma campanha especial no Facebook ao longo de todo o mês para homenagear os colegas engenheiros de software e de computação.

A ideia foi destacar grandes invenções que revolucionaram, e ainda vão revolucionar, nosso dia-a-dia – e que não existiriam sem a ajuda de um engenheiro! A primeira que destacamos foi a Internet: quem não lembra do chiado da conexão discada? Hoje, nossos smartphones sempre conectados são praticamente uma extensão de nós mesmos – e acabamos esquecendo que, por trás de toda sua praticidade, existe um engenheiro!

Ainda, destacamos os carros autônomos, sem motoristas, que estão em fase de teste há seis anos pelo Google (e os nosso próprios carros, que hoje contam com inúmeras opções para nos deixar conectados no trânsito?). O ar condicionado, que em algumas residências já podem ser controlados a distância, pelo celular. A nanotecnologia, que vem contribuindo para o avanço da medicina e ajudando a salvar vidas. A história do Google, criado pela dupla Sergey Brin e Larry Page, pioneiro na organização das informações na Internet e um grande aliado da nossa rotina (quem já ficou perdido e se salvou com o Google Maps sabe do que estamos falando!). E, por fim, a geladeira inteligente, que não só refrigera nossos alimentos, como também tira foto de cada item, registra a data de validade e compra o que está faltando. Parece até coisa dos Jetsons, mas é realidade em muitos lugares do mundo!

Ficou curioso? Para conferir essa e outras campanhas da SBC, confira nossa fanpage: https://www.facebook.com/sbcbrasil

E não esqueça de agradecer a um engenheiro da computação e de software sempre que a tecnologia salvar seu dia!

—————————-
Fonte: sbc
Link: Dia da Engenharia: confira a homenagem da SBC no Facebook

Confira a 30ª edição da Computação Brasil

É com muito orgulho que a Sociedade Brasileira de Computação divulga a 30ª edição da Computação Brasil, esta que traz uma singela homenagem a um dos pesquisadores mais importantes para a área da Computação no Brasil, o professor Luiz Fernando Gomes Soares.

Orientador de muitos profissionais, hoje líderes na academia e indústria, LF, como era conhecido por amigos, colegas e alunos, traz no seu legado muitas conquistas importantes para Computação e nós juntamos algumas aqui. Vem conferir a primeira edição deste ano da Computação Brasil que está emocionante!

http://www.sbc.org.br/publicacoes-2/298-computacao-brasil

Para plataformas smartphones acesse:
https://www.magtab.com/revista-computacao-brasil/

 

—————————-
Fonte: sbc
Link: Confira a 30ª edição da Computação Brasil

Estão abertas as inscrições para as JAI 2016

As Jornadas de Atualização em Informática (JAI) constituem um dos mais importantes eventos acadêmicos de atualização científica e tecnológica da área de Ciência da Computação do Brasil, tradicionalmente realizadas em conjunto com o Congresso da Sociedade Brasileira de Computação (CSBC).

Ministradas por pesquisadores seniores da nossa comunidade, as JAI são formadas por um conjunto de minicursos que focados em temas avançados, que não fazem parte dos currículos regulares de graduação e que oferecem uma oportunidade única para acadêmicos e profissionais de informática se atualizar em temas diversos com líderes de áreas de pesquisa no Brasil.

A inscrição nas JAI 2016 está condicionada à inscrição geral no CSBC 2016. Os valores são de R$ 80,00 até o dia 10/05, R$ 90,00 até o dia 20/06, R$ 110,00 a partir do dia 20/6 em diante.  

Se você já se inscreveu no CSBC 2016 e quer participar das JAI 2016 acesse seu cadastro no sistema ECOS e adicione a JAI de seu interesse à sua programação. Veja abaixo a lista das JAI 2016 e faça agora a sua inscrição.

Para saber mais sobre as datas e os assuntos de cada JAI deste ano clique aqui.

Lembrando:
Todo associado SBC tem descontos especiais! Associe-se e participe do maior Congresso da área da Computação por um preço bacana.

 

—————————-
Fonte: sbc
Link: Estão abertas as inscrições para as JAI 2016

Venha para o SIM/EMICRO 2016

Com a programação de caráter internacional o Simpósio Sul de Microeletrônica (SIM) e a Escola Sul de Microeletrônica (EMicro) tem circulado por diversas cidades da região Sul do país. A importância desses dois eventos vem dos anos que estão sendo realizados, a EMicro está em sua 18ª edição e o SIM na sua 31ª.

O objetivo do SIM/EMICRO 2016 é promover a troca de conhecimento científico entre alunos, pesquisadores nacionais e internacionais, vindo de empresas e universidades.

As edições desse ano ocorrerão em Porto Alegre/RS, de 11 a 14 de maio, no Instituto de Informática da Universidade Federal do Rio Grande do Sul.

Inscreva-se!

Mais informações acesse: http://inf.ufrgs.br/gme/emicro/   

 

—————————-
Fonte: sbc
Link: Venha para o SIM/EMICRO 2016

Convergindo para uma sociedade conectada e móvel

Ontem, 27 de abril de 2016, a maior escola regional de computação do Brasil em números de participantes, a ERBASE 2016, deu inicio as suas atividades em Maceió/AL.

Com o tema Convergindo para uma sociedade conectada e móvel, a ERBASE deste ano parte da idéia que objetos e pessoas comunicam-se a partir de arquiteturas da chamada Internet das Coisas (Internet of Things – IoT), que é baseada em computação nas nuvens e habilitada por redes de sensores, dispositivos móveis, middleware de serviços e outras plataformas de integração de dados.

A SBC esteve presente na abertura deste evento que traz um grande diferencial para pesquisadores, professores, alunos e profissionais de mercado dos estados da Bahia, Alagoas e Sergipe. Nossa Diretora de Marketing, Eliana Almeida, prestigiou o inicio do evento e destacou a importância das escolas regionais como eventos semeadores, sendo, para muitos dos estudantes que ali estão, um espaço para apresentação do primeiro artigo, para o despertar da pesquisa e inovação, para troca de experiências e aprendizado  e onde professores e pesquisadores descobrem novos talentos.

A ERBASE 2016 é mais uma realização da SBC, organizada pelo Instituto Federal de Alagoas.

Confira as fotos aqui.

 

—————————-
Fonte: sbc
Link: Convergindo para uma sociedade conectada e móvel

Temos muito o que aprender com o Facebook

facebook-793048_960_720

Li e refleti muito sobre um interessante artigo publicado na FastCompany, intitulado “Inside Mark Zuckerberg´s Bold Plan for the Future of Facebook”. É um case muito instigante de como uma empresa pós Internet desenha e coloca em prática suas estratégias, além de entender um pouco de como é sua operação nos bastidores. É uma visão muito diferente do planejamento estratégico das empresas tradicionais, porque na verdade Mark, fundador e CEO do Facebook, nem precisou “pensar fora da caixa”. Antes do FB ele nunca tinha gerenciado uma empresa. Aliás, ele nunca tinha sequer trabalhando em uma. Portanto, não tinha nem caixa para usar como referência.

O FB foi lançado em 2004 e fez seu IPO em fevereiro de 2012, como um simples site na web e um app incipiente, cercado de dúvidas e ceticismos se geraria receita. Hoje tem um valor de mercado de 300 bilhões de dólares. Não é uma empresa qualquer, mas contabiliza 1,5 bilhão de usuários ativos (um bilhão se logando em um único dia, com pelo menos nove em cada dez usuários acessando por um smartphone, ao menos parte do tempo), além de 900 milhões de usuários no WhatsApp, 400 milhões no Instagram, 700 milhões usando Messenger e outros 700 milhões no Groups. O FB e suas empresas são responsáveis por 4 das seis plataformas sociais mais acessadas do mundo. As outras duas são o YouTube a chinesa WeChat. O FB gera uma receita de cerca de 16 bilhões de dólares.

A visão de futuro do FB é uma aposta em duas tecnologias: Inteligência Artificial (sistemas cognitivos) e a combinação de realidade virtual com realidade aumentada (VR + AR). Todas as tecnologias têm o mesmo objetivo: aumentar a popularização do FB. A IA ajuda o FB a entender melhor seus usuários e aumentar sua participação na rede. Os usuários é que geram o conteúdo que o FB armazena e compartilha. VR+AR é considerada a forma de interação futura, para daqui a 5 a dez anos. Para o FB, a combinação VR+AR estará para as interfaces dos smartphones atuais assim como estes foram ruptura para as interfaces via mouse dos desktops.

Obviamente que o crescimento do FB decorre do aumento do seu uso pelos usuários atuais e futuros, daí a estratégia de também disseminar a Internet pela parcela dos usuários ainda fora dela (seu projeto de drones e o, às vezes polêmico, Internet.org). É uma estratégia diferente da adotada pelo Google, que cria várias iniciativas nem sempre conectadas entre si, variando de veículos autônomos a óculos inteligentes e computadores quânticos. A criação da holding Alphabet (uma “idea factory”) oficializa esta estratégia. Vale a pena ler o texto “Google Couldn’t Survive with One Strategy”. Mas, observem, o Google também tem um pensamento muito diferente das empresas tradicionais, pois não teme se arriscar em oceanos não navegados. Busca insistentemente o “oceano azul”.

Voltando ao FB, eles olham o longo prazo e então voltam ao hoje e definem o que será necessário fazer no próximo mês para atingir aquele objetivo de longo prazo. Para isso investe pesadamente, mesmo sabendo que o resultado não será no curto prazo. O exemplo da IA é emblemático. Como o alvo era contratar Yann LeCun, especialista em deep learning, o laboratório de IA foi criado em New York onde o pesquisador mora e dá aula, e não na sede do FB na Califórnia. Também o Connectivity Lab é outro exemplo, com o investimento em drones. Vale a pena ver este vídeo de pouco mais de três minutos sobre ele.

Outro aspecto interessante é a maneira de como adquire e integra empresas. Também diferente de muitas empresas tradicionais, que muitas vezes exterminam o “espírito” da empresa adquirida, as dissolvendo totalmente em sua estrutura e cultura. Os cases Instagram, WhatsApp e Oculus VR mostram essa diferença. No Instagram, por exemplo, os fundadores continuam à frente da operação. O que o FB fez foi integrar os serviços, que tem muito em comum, e apoiar a empresa com sua infraestrutura. O resultado é que o Instagram, em dez meses após sua aquisição, triplicou o número de usuários.

O FB também é uma usina de tecnologias. A imensa maioria é disponibilizada em open source, inclusive o projeto de criação de data centers e servidores. Para lidar com a montanha de usuários e dados que transitam a cada segundo pelo FB é necessário uma infraestrutura de tecnologia especial. O  Open Compute Project  mostra as especificações de hardware que o FB utiliza em seus servidores. Aliás, as grandes empresas da Internet não adquirem servidores dos fornecedores tradicionais. Desenham e montam (em fábricas na China) suas próprias máquinas. Sugiro a leitura de “Where in the World Is Google Building Servers?“. E já começam a projetar seus próprios chips…recomendo ler o texto “Amazon joins other web giants trying to design its own chips”.

Curioso é o comentário de Mark, “At the beginning of Facebook, I didn´t have an idea of how this was going to be a good business. I just thought it was a good thing to do!”.

Ou seja, as estratégias e os modelos de negócios foram sendo desenhados à medida que as coisas aconteciam. E não são imutáveis! As empresas pós Internet, como o FB, são um exemplo de como olhar a estratégia de forma disruptiva do paradigma atual.

Vale a pena refletir sobre suas visões e ações. São empresas ajustáveis dinamicamente. Temos muito que aprender com elas. Hoje é fundamental que os executivos aprendam a desaprender e a reaprender continuamente. A frase do economista britânico John Keynes está mais atual que nunca: “The difficulty lies not in the new ideas, but in escaping from the old ones, which ramify, for those brought up as most of us have been, into every corner of our minds”.

Fonte: Temos muito o que aprender com o Facebook

Uberização dos bancos: fantasia ou realidade?

 

puzzled-by-finance-951618_640

Com a última rodada de investimentos, o Uber passou a ter valor de mercado de 62 bilhões de dólares, maior que o da GM, que vale cerca de 56 bilhões. O termo uberizar já se tornou um verbo (ainda não oficial…) e significa causar uma disrupção em um setor de indústria.

A uberização é um fenômeno que preocupa qualquer CEO que esteja antenado com as mudanças que já estão ocorrendo no cenário de negócios mundial. Este temor é sintetizado por Maurice Levy, CEO da Publicis, grupo francês de mídia, em entrevista ao Financial Times, da seguinte forma: “everyone´s starting to worry about being uberized”. A uberização, resultado direto da transformação digital, não é um fenômeno exclusivo de alguns setores mais digitalizáveis, como mídia ou software. Tem o potencial de afetar praticamente todos os setores de indústria.

O risco para as empresas tradicionais é o de um app (na verdade uma empresa de tecnologia) substitui-las como ponto de conexão entre os clientes e as suas necessidades específicas, como o Airbnb na rede hoteleira e o próprio Uber na busca por um veículo com motorista.

O desafio das empresas tradicionais é o apego a modelos de negócio criados e solidificados por décadas. As disruptoras, as “ubers”, surgem com ideias inovadoras, antagônicas e radicalmente diferentes às suas crenças. Muitas tentam se defender atrás de regulações e protecionismos governamentais. Estratégia que até funciona em alguns países (aqui no Brasil vemos exemplos típicos), mas que não se sustentam por muito tempo.

A pressão do mercado consumidor por uma solução ou serviço mais barato, mais flexível e mais self-service (ou seja, menos fricção) leva inevitavelmente à ruptura do modelo tradicional. Portanto, a decisão para os CEOs, quer gostem ou não da uberização, é decidir se querem se submeter a ela ou querem, eles mesmos, criar a disrupção. Interessante a frase do CEO global da Michelin – “I don´t want to submit to the digital solution, I want to dominate it” –  ao explicar os investimentos nas startups de venda de pneus online, como a francesa Allopneus e a inglesa Blackcircles.

Os cenários tecnológico (evolução exponencial da tecnologia) e econômico atuais, com a geração de nativos digitais se impondo no mercado consumidor e começando a assumir posições mais executivas, trazendo com eles seus valores e ideias, aceleram o processo de transformação.

A dificuldade para os atuais gestores é que a velocidade da mudança é muito rápida, não dando a eles muito tempo para refletir. Provoca quase que uma reação instintiva! É um ciclo de decisões que colide com o tradicional, e lento, modelo decisório das grandes corporações, com suas pesadas estruturas organizacionais, incluindo aí a pesada infraestrutura de TI, com centenas de sistemas legados, muitas vezes com interligações complexas, que demandam centenas ou milhares de profissionais só para manterem os sistemas funcionando. Aqui no Brasil, os bancos e as empresas de telecom  são exemplos bem sintomáticos.

Vamos olhar os bancos. Recentemente li um artigo no WSJ que me chamou a atenção. Chama-se “The uberization of Money” e mostra como o setor financeiro americano está começando a se tornar alvo da uberização. Não estamos falando da ponta, onde os bancos já têm muitos serviços via smartphones. Aqui no Brasil, praticamente todas as minhas interações com meu banco já são via meu iPhone.

Mas que tal falarmos em empréstimos? Nos EUA, o movimento em direção a novos modelos uberizados é crescente e acelerado. Um relatório da PwC, “Peer Pressure: how peer-to-peer lending plataforms are transforming the consumer lending industry”, estima que os empréstimos peer-to-peer serão uma indústria de 150 bilhões de dólares nos EUA.

O artigo me fez pesquisar mais o assunto e acabei lendo um relatório muito bom, de quase 200 páginas, publicado pelo World Economic Forum: “The Future of Financial Services: how disruptive innovations are reshaping the way financial services are structured, provisoned and consumed”. O relatório é resultado de um grupo de estudos de bancos americanos, europeus e asiáticos (não vi nenhum banco privado brasileiro lá…) e  incluiu não apenas o ponto de vista dos próprios bancos, mas principalmente de muitas startups que estão uberizando o setor. Basicamente mostra os serviços financeiros “core” e os riscos de uberização em segmentos  como pagamentos, seguros, depósitos e empréstimos, gestão de investimentos, etc. O relatório analisa cenários e as implicações para o atual modelo dos bancos. É uma leitura obrigatória para todos os executivos do setor.

Outro pólo de mudanças radicais está acontecendo no Reino Unido. Londres é atualmente o centro financeiro do mundo e muitas startups, chamadas Fintechs, estão sendo criadas lá. Sobre Fintechs recomendo ler “The fintech revolution”. As Fintechs atuam concentrando esforços em simplificar um único serviço, via apps. Juntas, estão criando o fenômeno da “desagregação” dos bancos. Vale a pena analisar a figura que aparece em http://fermi.vc/post/72559525330/disaggregation-of-a-bank. Mostra claramente o que esta desagregação significa na prática.

O resultado, lá fora pelo menos, é o maciço investimento dos bancos na aquisição dessas startups, para evitar que sejam transformados em suas vítimas. Aliás, uma frase de Bill Gates, de 1997, tornou-se bem atual hoje: “We need banking but we don´t need banks”.

Neste contexto, aprofundando na pesquisa sobre o tema, li no meu Kindle  um livro chamado “Bye Bye Banks?: How Retail Banks are Being Displaced, Diminished and Disintermediated by Tech Startups – and What They Can Do to Survive.” Recomendo a leitura  a todos consultores, executivos de TI e de negócios envolvidos com bancos. Baseado no mercado inglês, bem diferente do brasileiro, mas com algumas similaridades, o livro mostra bancos investiram centenas de milhões de dólares na chamada transformação digital, sem mudanças em seus “core systems”, apenas nas interfaces com os clientes. A explicação deles é que a cultura tradicional (apoiada por regulações restritivas e na maioria das vezes muito antigas) permite entrincheirar e dificultar mudanças de mindset.

Como toda mega organização,  os grandes bancos receiam mudar seus modelos de negócio e dificultam experimentações quando constatam que correm risco de canibalização a partir do surgimento desses novos modelos de negócio. Por outro lado, correm o risco de serem devorados por novos entrantes. A sugestão dos autores é a de que os bancos criem o que eles chamam “beta bank”, um banco digital, separado da estrutura tradicional, com novas lideranças, processos e sistemas, inteiramente focados no novo mundo digital. É uma reinvenção do banco, permitindo um repensar do zero. “Se fossemos criar um banco a partir do zero, sem as restrições dos bancos atuais, como ele seria? ” A partir daí o novo banco assumiria aos poucos os serviços do banco atual.

Minha opinião é que sim, existe o risco de uberização do setor bancário. Regulações não são impeditivos perpétuos, como Uber e Airbnb mostram ao redor do mundo. Eles enfrentam setores altamente regulados. Existe muita reação, mas no final acha-se um meio da inovação florescer. Claro que países são diferentes em sua cultura e força regulatória. Em alguns, os bancos exercem poder maior sobre governo que outros, como no Brasil. Além disso o sistema bancário brasileiro é extremamente concentrado. Em uma simplificação relativamente realista, não é exagero dizer que temos apenas 5 bancos: BB, Itaú, Bradesco, CEF e Santander. Mas, a uberização do setor bancário mundial não é falácia. Mais ou cedo ou mais tarde também chegará aqui. Afinal, o Nubank é apenas a ponta do iceberg.

As Fintechs podem não matar os bancos, mas vão transformá-los. É provável que os bancos que meu netinho de 5 anos irá conhecer não sejam nada parecidos com os que eu conheço.

 

Fonte: Uberização dos bancos: fantasia ou realidade?

Uber x táxis, um outro olhar

File illustration picture showing the logo of car-sharing service app Uber on a smartphone next to the picture of an official German taxi sign

Joseph Schumpeter em seu conceito de “destruição criativa” apontava que o impacto de um novo produto ou modelo de negócios poderia provocar a destruição completa de todo um modelo de negócios já estabelecido e consolidado. Neste contexto, os negócios que são impactados tentam por todos os meios, principalmente apelando para as regulamentações existentes, impedir a entrada do novo concorrente. É uma luta inglória, pois estarão lutando contra os desejos da sociedade (seus atuais clientes) por uma nova alternativa, que é considerada por ela mais valorizada e benéfica.

Estamos vendo esta situação acontecendo agora. Executivos de TV acusando Netflix de concorrência desleal, CEO de empresa de telefonia acusando o WhatsApp de pirataria e por pressão corporativista dos taxistas, leis municipais sendo apressadamente aprovadas contra o Uber. É um contexto perigoso, pois é um inibidor da cultura favorável à concorrência, essencial para uma sociedade moderna evoluir e inovar.

A legislação não pode ser impeditiva de concorrência, inovação e empreendedorismo. Estes são pilares fundamentais da economia: produtos, serviços e modelos de negócio que trazem maiores níveis de eficiência produtiva e alocativa, incrementando o bem estar dos consumidores.

Na minha opinião a discussão sobre estas inovações está sendo direcionada para o lado errado. Hoje vemos incentivo a regulamentações e aumento de restrições sobre os novos entrantes, quando deveríamos fazer o contrário, ou seja, liberalizar das amarras regulatórias os produtos e serviços já existentes.

No caso do Uber, porque o município tem que restringir o número de licenças para taxistas? Por que não deixar o mercado regular isso? Não se impede duas pizzarias de abrirem uma ao lado da outra. É uma questão de concorrência entre negócios privados.

O Estado tutelar perde força pela disseminação das informações pela sociedade, hoje facilmente disseminadas pelo uso de tecnologias como celulares, smartphones e plataformas sociais como Facebook e Twitter.

Um taxista que não atue com profissionalismo é melhor fiscalizado pela sociedade em seus apps como EasyTaxi que pelos órgãos das prefeituras, sempre ineficientes. Basta ver que no Rio estima-se que rodem mais de 2.000 táxis piratas. É uma clara demonstração da falência do modelo de fiscalização e regulatório atual.

O surgimento do Uber não afeta o mercado de taxis, estudos do Cade já demonstram isso. Sugiro ler o documento “O mercado de transporte individual de passageiros: regulação, externalidades e equilíbrio urbano”.

Portanto, em vez de criar restrições aos novos entrantes, incorporando-as às vetustas e obsoletas regras restritivas em vigor (escritas quando estes novos modelos não existiam), deve-se abrir as restrições atuais focando no interesse da sociedade como um todo e não em benefícios de poucos. Uma economia moderna precisa de leis mais abertas, menos restritivas e com menos tutelas do Estado. Uma economia competitiva não pode ficar presa à restrições obsoletas, reflexo de tempos anteriores que não são mais adequados ao mundo de hoje, pois inibem o avanço tecnológico e a criação de novos modelos de negócio.

Fonte: Uber x táxis, um outro olhar